Distrofia de fuchs

A córnea é o tecido transparente que fica na frente do nosso olho, como se fosse o “vidro do relógio” e tem a função de permitir que a luz entre no olho para ser focalizada na retina. A córnea apresenta cinco camadas, sendo a camada mais interna chamada de Endotélio, que é responsável por manter o tecido transparente e com espessura adequada, atuando como uma bomba contra a pressão intra-ocular.

Imagem Distrofia de fuchs

Em pacientes com Distrofia de Fuchs ocorre perda acelerada das células da camada Endotelial, levando ao espessamento (edema) e perda da transparência corneana. É uma doença progressiva e com componente genético.

Os sintomas vão progredindo conforme o edema vai se intensificando. Inicialmente, o paciente apresenta baixa visual ao acordar, evoluindo para perda da transparência da córnea e formação de bolhas no epitélio (camada mais superficial). Essas bolhas acabam se rompendo, levando a exposição dos nervos corneanos ocasionando dor ocular e lacrimejamento.

O diagnóstico poderá ser feito durante a consulta oftalmológica (lâmpada de fenda) e através de exames complementares como a paquimetria corneana (mede a espessura da córnea), microscopia especular (visualização e contagem das células da camada endotelial) e teste de acuidade visual (medida do grau de comprometimento visual).

Até o momento, não existe tratamento para frear a progressão da Distrofia de Fuchs. Nos casos iniciais, pode ser usado colírios e pomadas que ajudam a eliminar o edema e melhorar parcialmente os sintomas. Entretanto, com a evolução da doença, o Transplante de Córnea permanece como única alternativa.

Na atualidade o Transplante de córnea lamelar é a opção de escolha, por substituir apenas a camada corneana alterada (neste caso o endotélio). Os transplantes lamelares apresentam grandes vantagens (menor número de suturas, menor astigmatismo pós operatório, maior resistência do globo ocular e menor taxa de rejeição).

A Doutora Flávia Sotolani é especialista em doenças externas, ceratocone, transplante de córnea, catarata e cirurgia refrativa. Realizou sua especialização no Instituto de Oftalmologia Tadeu Cvintal-IOTC e no Banco de Olhos de Sorocaba-BOS, serviços mundialmente reconhecidos por sua excelência e alta tecnologia.

A Doutora Flávia Sotolani, é uma das pioneiras no Estado do Mato Grosso do Sul na realização dos Transplantes Endotelias, sendo uma das poucas profissionais que realizam essa técnica com segurança.

Dra. Flávia Sotolani

Oftalmologista | CRM 6861

Graduada em Medicina pela UNIDERP em 2011, a Dra. Flávia Sotolani fez residência médica e especialização em Oftalmologia no Instituto Oftalmológico Tadeu Cvintal, IOTC, na cidade de São Paulo com término em 2015.

Participante ativa de inúmeros procedimentos e cirurgias, também é responsável por publicações bibliográficas de destaque.

Veja o Currículo Completo da Dra. Flávia Sotolani

Já fez o seu check-up Oftamológico?